6.5.17

Serra da Misericórdia: Uma obra prima da natureza no meio do subúrbio


A Serra da Misericórdia, uma verdadeira obra magnífica da natureza, abrange cerca de 43,9 km2 no município do Rio de Janeiro, e está localizada após uma faixa de baixada de aproximadamente 6 km a norte do Maciço da Tijuca e 3 km da costa oeste da Baia de Guanabara no ponto mais próximo de seu relevo: o bairro da Maré. É uma região geográfica enorme. Você não acha?

O maciço da Misericórdia chega a aproximadamente 260 metros de altitude em seu ponto culminante, a Serra do Juramento (onde fica a comunidade do Juramento). Estende-se por 27 bairros do subúrbio carioca. Entre eles: Abolição, Bonsucesso, Brás de Pina, Cavalcante, Cascadura, Complexo do Alemão, Del Castilho, Engenho da Rainha, Higienópolis, Honório Gurgel, Inhaúma, Irajá, Madureira, Olaria, Penha, Penha Circular, Piedade, Pilares, Ramos, Rocha Miranda, Tomás Coelho, Turiaçu, Vaz Lobo, Vicente de Carvalho, Vila Kosmos e Vista Alegre.

Antes da conquista da Área de Proteção Ambiental e Recuperação Urbana (APARU), estabelecida pelo Decreto nº 19.144, de 14 de novembro de 2000, não havia nenhum controle sobre a poluição dos bairros circundantes ao maciço da Misericórdia. As comunidades ao redor do morro estavam invadindo o terreno rumo ao topo e destruindo o pouco que ainda restava da natureza nativa. Havia a presença de três pedreiras com suas jazidas de granito na região, com emissão de esgoto industrial na água dos rios da Serra da Misericórdia que transportavam metais pesados e detritos orgânicos para a Baia de Guanabara. Com a perda da vegetação original, houve a destruição da estrutura do solo que era necessário à sua agregação e firmeza, causando a impermeabilização, o ressecamento dos rios que dependiam dessa vegetação. Tal fato provocou a  aceleração da erosão e o assoreamento, o que pôs  em risco muitas comunidades que viviam nessas encostas.

A Serra da Misericórdia é considerada parque e área de preservação ambiental desde 16 de dezembro de 2010, a partir do Decreto nº 33280, que nomeou o Parque Municipal da Serra da Misericórdia como Parque Municipal Urbano da Serra da Misericórdia ou Parque ecológico da Vila Kosmos, e estabeleceu seus limites. Na prática, o reconhecimento significa que o local será destinado ao lazer, à prática esportiva, à recreação em meio à natureza, à promoção da educação ambiental e à valorização das manifestações culturais e tradições locais, e a ações de proteção às áreas de reflorestamento, à fauna, às nascentes e mananciais de água existentes no local. Mas até onde sabemos, mesmo depois do decreto, a serra não vem sendo fiscalizada como deveria e seu terreno foi perdendo metros a cada ano. Existe um projeto do governo do estado para revitalizar a região e criar um grande parque ecológico, com 25,5 mil metros quadrados. Mas infelizmente isso jamais saiu do papel, ficando apenas obras de contenção de encostas. Existe uma lei que protege as áreas naturais, a fim de preservar o que ainda resta de bens naturais. É a  lei número 19.144 de 16/11/2000. Além das Pedreiras e mananciais de rios (hoje todos mortos). A serra abriga ainda o famoso reservatório da Penha, que abastecia de água praticamente toda zona da Leopoldina e Ilha do governador.

No começo dos anos 30 e 40 existiam expedições pela serra, onde as pessoas faziam trilhas e descobriam suas belezas naturais. Isso só foi possível saber devido a pesquisas feitas em jornais antigos e um desses periódicos mostra uma reportagem sobre o assunto (Jornal do Brasil, 30 de Janeiro de 1941).

Alguém sabe por que se chama Serra da Misericórdia?

Como a história do Brasil nos mostra, nosso país foi uma colônia portuguesa e sabemos que a monarquia era ligada a religião católica, que teve um papel importante nas primeiras construções do local pesquisado. O nome Serra da Misericórdia foi dado pela Santa Casa de Misericórdia, pois no início da exploração das terras da região da Penha, acabou adquirindo terras no local, assim dando o nome a serra. Com o passar dos anos as comunidades foram crescendo ao seu redor por causa da especulação imobiliária. O que contribuiu para que o Rio das décadas de 40 e 50 se tornasse um local caro para se morar. Por isso quando uma família de baixa renda não tem condições de pagar aluguel. Ela vai para onde? Para os morros e foi assim que a Serra da Misericórdia começou a ser ocupada pelas comunidades.

Autor da pesquisa: Historiador Paulo Silva
https://paulosilvahistory.blogspot.com.br/

2 comentários:

Paulo Jorge disse...

Obrigado pelo apoio.

Prof. Adinalzir disse...

Valeu professor! Não tem de que. Abraços.

Projeto original do Palácio de Santa Cruz. Rio de Janeiro - RJ.

Assim como publicado na página no dia 05 de Setembro, projeto de autoria do arquiteto inglês John Johnson, contratado no governo do Rei ...